THE BEATLES
Discografia Completa(Full Discography)

Abbey Road (1969)
Sgt Peppers Lonely Hearts Club Band (1967)
Revolver (1966)
The White Album (1968)
Rubber Soul (1966)
Help! (1964)
Let it Be (1970)
Yellow Submarine (1969)
Magical Mystery Tour (1967)
Beatles for Sale (1964)
A Hard Day’s Night (1964)
Meet the Beatles (1964)
With the Beatles (1963)
Please Please Me (1963)
Past Masters Vol. I & IIEspecialmente do depredando para todos Beatlemaníacos de todo o mundo.
Cura Gay? Mesmo que por boa vontade, muitos são manipulados por defender algo que mal sabem o que é. E o projeto Cura Gay é um desses. Entenda o que esse projeto significa: 1- A questão da “Cura Gay” ser conhecida, deve-se à psicóloga Rozangela Justino, que foi PUNIDA pelo Conselho Federal de Psicologia, pelo fato de oferecer tratamento PSICOLÓGICO para os homossexuais que a procuravam. A punição deve-se à resolução do Conselho Federal de Psicologia, na Resolução CFP n.° 001/99 (por determinação da Organização Mundial da Saúde de 17 de maio de 1990) que diz: a homossexualidade não constitui doença, logo, nenhum profissional pode oferecer tratamento para isso. 2- Não foi o presidente da CDHM Marco Feliciano que criou essa ementa, e sim o deputado João Campos (PSDB-GO). 3- O projeto não fala da cura em SUS, nem em remédio, nem em hospitais, e muito menos distribui tratamento de graça pra quem é gay, se o projeto for aprovado o que vai acontecer é a derrubada da resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP), que proíbe os profissionais da área de prestarem atendimento aos homossexuais que querem mudar sua orientação sexual (como está no número 1 do artigo) 4- Não foi a Comissão de Direitos Humanos (CDHM) que chamou o projeto de “Cura Gay”, e sim o Ativismo Gay e a Mídia. O próprio Feliciano afirma que "não há cura pra quem não está doente". Logo, o nome do projeto é: PDC 234/2011. 5- Se aprovado, haverá a retirada do parágrafo único do art. 3° e art. 4° do CFP, que dizem: Art. 3° – os psicólogos não exercerão qualquer ação que favoreça a patologização de comportamentos ou práticas homoeróticas, nem adotarão ação coercitiva tendente a orientar homossexuais para tratamentos não solicitados. Parágrafo único – Os psicólogos não colaborarão com eventos e serviços que proponham tratamento e cura das homossexualidades. Art. 4° – Os psicólogos não se pronunciarão, nem participarão de pronunciamentos públicos, nos meios de comunicação de massa, de modo a reforçar os preconceitos sociais existentes em relação aos homossexuais como portadores de qualquer desordem psíquica. 6- Não é o Feliciano que aprova isso de um dia pro outro e nem toda a CDHM. Será necessário passar pela análise das comissões de Seguridade Social e Família e de Constituição e Justiça, chegar ao plenário da Câmara e após ao Senado, para que venha a ser efetuada sua promulgação. 7- Após a possível (ou não) aprovação, nenhum profissional é obrigado a tratar homossexual, apenas tem a liberdade de oferecer tratamento se for procurado. Ou seja, o tratamento é voluntário e não trata o homossexual como doente.

Cura Gay?

Mesmo que por boa vontade, muitos são manipulados por defender algo que mal sabem o que é. E o projeto Cura Gay é um desses. Entenda o que esse projeto significa:

1- A questão da “Cura Gay” ser conhecida, deve-se à psicóloga Rozangela Justino, que foi PUNIDA pelo Conselho Federal de Psicologia, pelo fato de oferecer tratamento PSICOLÓGICO para os homossexuais que a procuravam. A punição deve-se à resolução do Conselho Federal de Psicologia, na Resolução CFP n.° 001/99 (por determinação da Organização Mundial da Saúde de 17 de maio de 1990) que diz: a homossexualidade não constitui doença, logo, nenhum profissional pode oferecer tratamento para isso.

2- Não foi o presidente da CDHM Marco Feliciano que criou essa ementa, e sim o deputado João Campos (PSDB-GO).

3- O projeto não fala da cura em SUS, nem em remédio, nem em hospitais, e muito menos distribui tratamento de graça pra quem é gay, se o projeto for aprovado o que vai acontecer é a derrubada da resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP), que proíbe os profissionais da área de prestarem atendimento aos homossexuais que querem mudar sua orientação sexual (como está no número 1 do artigo)

4- Não foi a Comissão de Direitos Humanos (CDHM) que chamou o projeto de “Cura Gay”, e sim o Ativismo Gay e a Mídia. O próprio Feliciano afirma que "não há cura pra quem não está doente". Logo, o nome do projeto é: PDC 234/2011.

5- Se aprovado, haverá a retirada do parágrafo único do art. 3° e art. 4° do CFP, que dizem:

Art. 3° – os psicólogos não exercerão qualquer ação que favoreça a patologização de comportamentos ou práticas homoeróticas, nem adotarão ação coercitiva tendente a orientar homossexuais para tratamentos não solicitados.

Parágrafo único – Os psicólogos não colaborarão com eventos e serviços que proponham tratamento e cura das homossexualidades.

Art. 4°Os psicólogos não se pronunciarão, nem participarão de pronunciamentos públicos, nos meios de comunicação de massa, de modo a reforçar os preconceitos sociais existentes em relação aos homossexuais como portadores de qualquer desordem psíquica.

6- Não é o Feliciano que aprova isso de um dia pro outro e nem toda a CDHM. Será necessário passar pela análise das comissões de Seguridade Social e Família e de Constituição e Justiça, chegar ao plenário da Câmara e após ao Senado, para que venha a ser efetuada sua promulgação.

7- Após a possível (ou não) aprovação, nenhum profissional é obrigado a tratar homossexual, apenas tem a liberdade de oferecer tratamento se for procurado. Ou seja, o tratamento é voluntário e não trata o homossexual como doente.

Plano Marshall O Programa de Construção Européia (European Recovery Program) foi um programa norte-americano de ajuda financeira para a reconstrução dos países europeus afetados gravemente pela Segunda Guerra Mundial. O Programa ficou conhecido por Plano Marshall pelo nome do criador do plano, o General George Catlett Marshall. Como já foi dito aqui, a Europa ficou devastada depois da Segunda Guerra, com escassez de matéria prima, afetando as fábricas e a produção, fazendo com que, obviamente, a economia caísse. O Plano Marshall tinha com objetivo reconstruir os países devastados porque a Europa era seu maior e principal mercado, e o centro industrial do continente estava no ocidente. E claro, também pelo fato de que sem a ajuda dos EUA, a Europa ocidental poderia se render ao comunismo, já que sem a ajuda econômica dos norte-americanos, eles poderiam ser facilmente influenciados pela URSS, e isso comprometeria a segurança Americana. O Congresso Americano aprovou uma ajuda de mais ou menos 13 bilhões de dólares, e 70% do total foi usado para comprar bens norte-americanos. A medida que crescia a tensão na Guerra Fria, os recursos eram gastados mais com investimentos militares do que com a indústria, que cresceria economicamente o países. Em 1952, a influência da URSS no Ocidente acabou, e a produção industrial cresceu 35%, a economia começou a se recuperar, deixando a Alemanha Ocidental independente.

Plano Marshall

O Programa de Construção Européia (European Recovery Program) foi um programa norte-americano de ajuda financeira para a reconstrução dos países europeus afetados gravemente pela Segunda Guerra Mundial. O Programa ficou conhecido por Plano Marshall pelo nome do criador do plano, o General George Catlett Marshall.

Como já foi dito aqui, a Europa ficou devastada depois da Segunda Guerra, com escassez de matéria prima, afetando as fábricas e a produção, fazendo com que, obviamente, a economia caísse. O Plano Marshall tinha com objetivo reconstruir os países devastados porque a Europa era seu maior e principal mercado, e o centro industrial do continente estava no ocidente. E claro, também pelo fato de que sem a ajuda dos EUA, a Europa ocidental poderia se render ao comunismo, já que sem a ajuda econômica dos norte-americanos, eles poderiam ser facilmente influenciados pela URSS, e isso comprometeria a segurança Americana. O Congresso Americano aprovou uma ajuda de mais ou menos 13 bilhões de dólares, e 70% do total foi usado para comprar bens norte-americanos. A medida que crescia a tensão na Guerra Fria, os recursos eram gastados mais com investimentos militares do que com a indústria, que cresceria economicamente o países. Em 1952, a influência da URSS no Ocidente acabou, e a produção industrial cresceu 35%, a economia começou a se recuperar, deixando a Alemanha Ocidental independente.

O Cenário Geopolítico Mundial: O Mundo Bipolar. (PARTE I)
Em 1945, com o fim da Segunda Guerra Mundial, países da Europa que haviam se envolvido na guerra sofreram perdas imensas. Além da grande diminuição do número da população e a destruição das cidades, a economia também foi comprometida. O setor agrícola teve uma notável diminuição na produção, afetando tanto as fábricas como o fornecimento de matérias-primas. Diferente dos Estados Unidos, que saiu do conflito como a maior potência do mundo capitalista, no ponto de vista político, militar e econômico. Entretanto, a União Soviética (URSS), apesar de todo o prejuízo e estrago sofrido durante a Guerra, ainda tinha um forte exército que ocupada toda a região leste da Europa. Além disso, também havia a posse da tecnologia de armas nucleares, e isso dava a posição de superpotência não só para os EUA, mas para a Europa também. E começa, então, a Guerra Fria.
O Cenário geopolítico mundial passou a ser formado então por duas superpotências. O polo de poder norte-americano, que liderava os países capitalistas, e o polo de poder soviético, que liderava (muitas vezes recorrendo à força e regimes) o bloco socialista. 
A Europa ficou divida por dois polos de influência, liderados pelos EUA e pela URSS.
Europa Ocidental (influência norte-americana): Em 1948, os Estados Unidos criou o Plano Marshall, que levou recursos econômicos para os países capitalistas do Ocidente (França, Itália, Inglaterra e Alemanha Ocidental) pelo fato dos países estarem abalados economicamente após a guerra. Em 1949, uma aliança militar entre os EUA e a Europa Ocidental formou a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), com isso, o controle dos Estados Unidos sobre a Europa capitalista cresceu ainda mais pela força política e militar, fazendo com que os países adotassem uma política anticomunista, como oposição à União Soviética.
Europa Oriental (URSS): Os países que a União Soviética tinha controle era Tchecoslováquia, Bulgária, Hungria, Romênia, Polônia, Iugoslávia e Alemanha Oriental. A URSS exercia uma firme ação nos campos militares e políticos. Era dirigido por Stálin, que para manter a influência política na Europa Oriental, expulsou todos os anticomunistas desses países. O Leste Europeu passou a ser governado por Partidos Comunistas que deveriam ser obedientes à orientação soviética. Em 1955, em oposição à OTAN, foi criado a aliança militar conhecida como o Pacto de Varsóvia.
Demorei, mas voltei. Eu disse que iria voltar, não disse? Eu agradeço e ao mesmo tempo peço desculpa pelas asks não respondida e pela ausência no blog. Como começou meu primeiro semestre no IFCE, era preciso que eu me adaptasse aquele mundo completamente diferente da escola tradicional e deixar isso como prioridade na minha vida. Vou começar o segundo semestre já, mas agora com organização suficiente para não abandonar vocês novamente. Pode ser que nem sempre tenha posts diariamente, mas não me ausentarei tanto tempo novamente, e isso é promessa. Obrigada por todos e que os novos seguidores sejam bem vindos. Atenciosamente, Vitória.

Demorei, mas voltei.

Eu disse que iria voltar, não disse? Eu agradeço e ao mesmo tempo peço desculpa pelas asks não respondida e pela ausência no blog. Como começou meu primeiro semestre no IFCE, era preciso que eu me adaptasse aquele mundo completamente diferente da escola tradicional e deixar isso como prioridade na minha vida. Vou começar o segundo semestre já, mas agora com organização suficiente para não abandonar vocês novamente. Pode ser que nem sempre tenha posts diariamente, mas não me ausentarei tanto tempo novamente, e isso é promessa. Obrigada por todos e que os novos seguidores sejam bem vindos.

Atenciosamente, Vitória.

A Lenda de The Dark Side Of The Oz.
Quem já conhece a lenda que fala sobre a ligação entre o filme Mágico de Oz e a banda Pink Floyd? Dizem que o álbum “Dark Side Of The Moon" do Pink Floyd, foi feito para ser sincronizado com o filme. A teoria da sincronização entre o filme e o disco da banda começou a ser discutido entre 1994 e 1995, levantando suspeita e criando teorias, fazendo com que várias matérias fossem publicadas sobre esse assunto. 
No entanto, essa sincronia sempre foi negada pelos integrantes do Pink Floyd, e afirmam: Não passa de uma grande coincidência. O guitarrista e vocalista David Gilmour negou que o disco foi feito pela influência do filme, alegando que “Algum cara com muito tempo livre teve essa idéia de combinar O Mágico de Oz com Dark Side of the Moon” 
Porém, depois dos boatos tomarem forças, foi criado listas e mais listas mostrando diversos momentos onde há a sincronia (mais de 100!). Segundo os fãs que tentaram reproduzir tal efeito, para obter a sincronia, basta iniciar o disco no exato momento que o leão da MGM rugir pela terceira vez no filme Mágico de Oz. O filme é mais longo que o álbum, então, é preciso iniciar o disco assim que ele termina, tocando assim, duas vezes e meia. E um aviso: em algumas versões do filme, o leão é colorido. Pare ter a sincronia perfeita, o leão precisa ser preto-e-branco.

As coincidências do The Dark Side Of The Oz:

Primeira cena em preto e branco:
- O verso balanced on the biggest wave (da segunda música do disco, Breathe) é cantado justamente quando Dorothy está se equilibrando na cerca e On the Run começa exatamente quando Dorothy cai da cerca.
- Quando Tia Em está gritando com os 3 trabalhadores, uma voz feminina pode ser ouvida no fundo do disco que pára exatamente quando Tia Em para de mexer a boca.
- Dorothy vira-se e olha justamente quando o verso look around (olhe ao redor) é cantado.
- Quando Dorothy está cantando Over the Rainbow (canção do filme), ela olha muitas vezes para os aviões ouvidos no CD.
- Um verso em Over the Rainbow é: Birds fly, why can’t I? Na música Breathe, há um verso assim: For long you live and high you fly.
- Repiques e sinos (da música Time) começam a zumbir quando a velha avarenta anda em sua bicicleta. Isso acaba quando ela desce da bicicleta.
- O adivinhador diz a Dorothy que ela precisa ir para casa quando o verso home, home again (ainda da música Time) é cantado.
- Quando o tornado começa a tomar forma, a música muda para The Great Gig In The Sky (O Grande Espetáculo No Céu).
- A bateria em Great Gig in the Sky começa justamente quando o vento começa a causar estragos.
- Quando Dorothy bate sua cabeça, a música se torna mais suave, abaixando a voz.
- A música acaba quando Dorothy acorda.

Cenas coloridas do filme (o filme tem partes preto-e-branco e colorida pelo fato do alto custo de produzir um filme totalmente colorido na época, na parte que o filme fica colorido, inicia-se a música “Money”)

- A boa bruxa aparece para tocar guitarra na sua varinha mágica. Ela move seus dedos na varinha como se realmente estivesse tocando guitarra.
- Durante o início de Us and Them, o prefeito e os políticos munchkins conversam enquanto vozes masculinas podem ser ouvidas.
- As bailarinas entram em us, us, us. A bailarina na esquerda da tela sincroniza sua dança exatamente com a música.
- Os garotos dos pirulitos entram em me, me, me. Eles chutam as pernas a cada me, me, me.
- A bruxa má aparece exatamente na palavra black. Mostrando também a roupa preta que a bruxa usava.
- And who knows whick is which and who is who (e quem sabe qual é qual e quem é quem?) é cantado quando a boa bruxa está explicando a Dorothy que existem duas bruxas malvadas – a do leste e a do oeste.
- As palavras up, up são cantadas quando a bruxa malvada está em cima da plataforma, e down, down é cantada quando ela desce da plataforma.
- And in the end (e no fim) é cantado quando a bruxa do leste desaparece.
- down, down é novamente cantado, desta vez quando Dorothy desce da plataforma.
- out, out, out é cantado quando a boa bruxa está indo embora.
- A troca de música ocorre exatamente na troca de cena.

O Espantalho:

- A guitarra tocará sempre que o espantalho ou Dorothy falar.
- Seus corpos movimentam-se com a guitarra quase igual.
- Ouve-se as palavras paper-boy justamente quando o espantalho mostra os papeis em sua barriga.
- A canção Brain Damage (dano cerebral) está tocando quando o espantalho diz que queria ter um cérebro.
- Quando o espantalho está dançando e cantando, ele dança com a música.

O Homem de Lata:

- Ouve-se uma batida do coração no CD quando Dorothy está estalanto o peito do Homem de Lata.
O Fim do Disco.
Os fiéis dessa lenda acreditam que se o disco for tocado outra vez seguida, a sincronia continua. O disco precisa ser repetido mais de duas vezes até o filme acabar. 
- O Homem de lata começa a dançar exatamente quando as batidas começam
- Um morcego voa através da tela enquanto o som de um avião é ouvido no CD.
- O rosnado do leão se relaciona com o som do rosnado no CD.
- O leão parece estar conduzindo a música quando fala.
- Todos os três personagens saltam com a batida durante a mudança de cena.

A Cena do Castelo de Esmeralda:

- O cavalo muda de cores na ordem das cores do arco-íris na capa do disco. 
- A mudança de música ocorre quando eles começam a andar na grande sala.
- Dentro da sala do mágico, o fogo atira com a música.
- O leão pula da janela com down, down.
- Forward he cried (da música Us and Them) é cantado quando o homem de lata está dizendo ao leão para ir a diante.
- A fumaça embaixo da cara do mágico aparece azul somente quando ouve-se blue, blue.
- Os repiques ouvidos no começo com a velha avarenta, são agora acentuados pelos aplausos da multidão na cena do balão de ar quente.
- Dorothy bate nas cicatrizes com a batida da música

De volta para casa (volta cena preta e branca)

As palavras home, home again são cantadas quando Dorothy acorda e abre seus olhos. A música acaba exatamente quando acabam os créditos.
______________________________________________
Outra coisa interessante é a capa do disco, que é um prisma: A luz preta e banca bate contra o prisma e sai colorida, na contracapa do álbum, o movimento é ao contrário, igual o filme, que inicia-se preto e branco e depois fica colorido, e novamente, do colorido volta ao preto e branco.
Para ver o filme exatamente sincronizado com o disco, deixo para vocês o vídeo no youtube. 
O principal tema abordado no álbum do Pink Floyd é a loucura. Uma das interpretações do filme, é que Oz era apenas alucinação da cabeça de Dorothy, nada daquilo existia. Nem todo o filme tem uma perfeita sincronia, entretanto, dá para causar belos arrepios em quem realmente prestar atenção. Há histórias de pessoas que encontraram sincronias em músicas do Pink Floyd em filmes como 2001: Uma Odisséia no Espaço e Alice no País das Maravilhas, porém, nada foi tão real como O Mágico de Oz.
(Matéria sugerida por Pedro J. Meu guri.)
6# Parentes de pessoas que morreram durante da Revolução do Egito reagem a setença de Hosni Mubarak à prisão, em junho de 2012.
"De todos os clichês, você se tornou o mais lindo"
Foi num dia chuvoso que eu percebi que amava você. Eu estava sozinha, mergulhada no ócio quando lembrei de você e sussurrei pra mim mesma que te amava. Eu lembrei dos seus sorrisos, das risadas curtas e das piadas bobas e percebi que te amava. Veio a minha mente suas histórias, seus discursos, suas opiniões sobre Deus e o mundo e vi que amava você. Senti o peso da sua mão pousando em meu corpo, seus dedos deslizando o meu quadril, seu corpo fazendo pressão contra o meu, seus lábios quentes em meu pescoço e suspirei, eu realmente amo você. Sozinha, no meu quarto escuro, com a chuva toda lá fora, me deparei rindo ao lembrar das nossas conversas, das nossas gafes, das nossas besteiras. Fiquei imaginando todos os nossos planos loucos, de fugir de casa, viajar o mundo inteiro, abrir livrarias e cafeterias em todos os lugares e ter vinte e cinco filhos (treze meninos e doze meninas). Eu percebi que poderia passar os dias, meses, anos e eu ainda vou amar você. E aquele futuro que eu imaginei pra mim, tão egoísta, foi trocado pelo “nós”, porque simplesmente amo você. Coloquei sua banda preferida pra tocar só pra lembrar ainda mais o quanto amo você, e fiquei relacionando as letras da música com você… E percebi que você se tornou a minha nova paisagem, meu novo destino, minha passagem pro mais infinito dos universos paralelos… E que a minha viagem agora é você. Você se tornou a minha paz mais caótica e minha loucura mais sensata. Eu descobri que se somos quem podemos ser, eu quero ser apenas sua e de mais ninguém. Toda, inteirinha. Da cabeça aos pés, de corpo e alma. Você veio descomplicando toda a complicação sem razão que eu era. Veio dando cores, sabores, sons e cheiros diferentes na minha vida. Sabe quando até o café muda de gosto quando penso em você? Até o silêncio fica gritante. Você tornou-se meu vício, meu ópio. Fazendo assim com que eu sinta todas as sensações do mundo de uma vez só. Dá uma vontade grande de ficar nos teus braços e nunca mais sair. Porque nada é mais cruel do que ficar longe de você. Sacanagem mesmo é ficar sem seu cheiro, sem seus abraços, ficar sem mordidas e sem sua voz baixinha no meu ouvido, que era o meu ponto fraco. Era. Porque com você, todo meu corpo se torna um ponto fraco, já que só basta eu estar nos seus braços para simplesmente perder o chão. Porque a verdade é que cada toque seu em mim é como se meu corpo explodisse em diversas bombas atômicas, espalhando radiação por todos os lados e cada beijo seu corresponde a uma supernova. Ai, que saudade de você…
Eu posso ter milhares de livros, posso ler um milhão de poemas e conhecer os melhores escritores do mundo. Mas você supera qualquer poesia. 
P.S.: Prefiro o gosto dos seus beijos do que de café.
- Vitória Santos.
“Ela tem ciúmes de meus livros, como eu tenho de suas flores. Ela diz que a esqueço para trabalhar; eu queixo-me de que ela ama as suas violetas mais do que a mim.”